Quinta, 13 de Maio de 2021
(61) 99300-9675
Dólar comercial R$ 5,32 0.25%
Euro R$ 6,41 +0.11%
Peso Argentino R$ 0,06 +0.35%
Bitcoin R$ 272.288,84 -11.692%
Bovespa 119.872,94 pontos +0.14%
Economia STF

Fux determina reinclusão do aeroporto de Manaus em leilão da Anac

O ministro afirma que a retirada colocaria em risco a segurança jurídica de todo o procedimento do leilão

27/04/2021 10h11
57
Por: Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, deferiu nesta segunda-feira (26) pedido da União para reincluir o Aeroporto Internacional de Manaus (AM) no leilão de concessões da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Fux sustou decisões do STJ (Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) que determinaram a retirada do terminal manauara da rodada de leilão.

Na decisão, o ministro afirma que a retirada colocaria em risco a segurança jurídica de todo o procedimento do leilão, "ameaçando a concretização dos contratos a serem assinados para a concessão dos aeroportos arrematados nos Blocos Central e Sul".

Isso ocasionaria, segundo ele, a perda de parte da arrecadação de R$ 3,3 bilhões e o "desgaste significativo da credibilidade do Brasil no cenário internacional".

A concessão da Anac é para uso da área para exploração comercial e operação da atividade de armazenagem e movimentação de cargas no aeroporto Eduardo Gomes.

Só que já existia um contrato assinado em 2018, entre a Infraero e o consórcio SB Porto Seco, para exploração comercial e operação no terminal pelo prazo de dez anos.

Em 2019, a licitação foi suspensa pelo TCU (Tribunal de Contas da União). A partir disso, o caso passou por uma série de contestações na Justiça, que ora confirmavam e ora suspendiam a decisão do tribunal. Em paralelo, a Infraero incluiu Manaus no programa nacional de desestatização.

No início de abril, o TRF-1 deferiu o pedido do consórcio SB Porto Seco para excluir o aeroporto de Manaus das concessões. A União foi contrária, justificando que a interferência em um leilão internacional poderia causar "dano irreparável à imagem do Brasil e significativa perda de receita".

No início de abril, Humberto Martins, presidente do STJ, suspendeu parte de decisão do TRF-1 que havia excluído o terminal do plano de desestatização. Na semana passada, no entanto, ele reconsiderou sua determinação após analisar um pedido da empresa SB Porto Seco Transporte SPE Ltda.

A empresa alegava ter direito de ser contratada pela Infraero, por ter vencido, em 2018, licitação para exploração comercial da área.

Para o ministro do STJ, a celebração de um novo contrato envolvendo o aeroporto causaria ainda mais lesão à ordem pública.

Já no Supremo, a União sustentou que a segurança jurídica, no caso, deve favorecer a manutenção do aeroporto de Manaus no leilão por dois motivos: o certame foi efetivado e o TCU concluiu ausência de ilegalidade na decisão da Infraero de revogar o edital de licitação vencida pela SB Porto Seco Transporte.

Para Fux, a decisão do TRF-1 desconsiderou o poder geral de cautela do TCU.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Brasília - DF
Atualizado às 15h17 - Fonte: Climatempo
26°
Muitas nuvens

Mín. 15° Máx. 27°

26° Sensação
11 km/h Vento
42% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (14/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 26°

Sol com algumas nuvens
Sábado (15/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias