Sábado, 23 de Outubro de 2021
(61) 99300-9675
Dólar comercial R$ 5,65 0%
Euro R$ 6,58 0%
Peso Argentino R$ 0,06 -0.031%
Bitcoin R$ 367.142,45 +0.892%
Bovespa 106.296,18 pontos -1.34%
Economia GOVERNO TEMER

Bolsonaro veta projeto que define 'praça' para cobrança do IPI

A decisão está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 6

06/10/2021 20h19
69
Por: Redação Fonte: N.M.
Foto:Getty
Foto:Getty

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente projeto de lei que define como "praça" o município onde está situado o estabelecimento remetente de mercadorias para efeito de tributação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A decisão está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 6. Segundo o governo, a proposta foi rejeitada "por gerar insegurança jurídica e ensejar risco potencial de novos litígios em relação a casos já julgados na esfera administrativa".

O projeto foi aprovado pelo Congresso em setembro. De acordo com os parlamentares, a qualificação do termo "praça" deixa claro na legislação que os preços cobrados no município remetente é que deverão ser considerados para a definição do valor tributável mínimo do IPI, o que evitaria manipulação de preços entre as empresas e prejuízos à arrecadação do imposto.

"A proposição legislativa contraria o interesse público por gerar insegurança jurídica, haja vista que a definição do termo 'praça' como sendo o município onde estivesse situado o estabelecimento do remetente, para fins de determinação do valor mínimo tributável do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), estaria em descompasso com o entendimento aplicado pela 3ª Turma da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) na análise de recursos administrativos, que definiu, em decisão proferida no ano de 2019, que o conceito de 'praça' não se limita, necessariamente, ao de um município, com a possibilidade de abranger também regiões metropolitanas", argumenta o presidente na razão do veto encaminhada ao Congresso.

"Além disso, a proposição legislativa possibilitaria que empresas se utilizassem de artifícios para reduzir a incidência do IPI e esvaziassem o mecanismo antielisivo que estabelece o valor tributável mínimo disposto nos art. 15 e art. 16 da Lei nº 4.502, de 1964", acrescenta.

O governo alegou ainda que "a medida ensejaria o risco potencial de novos litígios em relação a casos já julgados na esfera administrativa, sob o argumento de que a nova lei teria caráter interpretativo com aplicação a fatos pretéritos, conforme o disposto no inciso I do caput do art. 106 da Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional."

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Brasília - DF
Atualizado às 21h18 - Fonte: Climatempo
24°
Poucas nuvens

Mín. 17° Máx. 29°

24° Sensação
11 km/h Vento
69% Umidade do ar
90% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (24/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 28°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Segunda (25/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 26°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias